educacao-inclusiva

Como praticar a educação inclusiva nas escolas? 5 dicas práticas

A educação inclusiva é uma maneira de reafirmar a escola como um espaço de aceitação das diferenças para a promoção da educação. Por meio dessa modalidade de ensino, todos os estudantes, com ou sem deficiências, são integrados no mesmo ambiente de aprendizagem e têm suas diferenças reconhecidas e valorizadas pela escola.

É uma modalidade diferente da educação especial, cuja função é promover o desenvolvimento de habilidades de estudantes com algum tipo de deficiência (auditiva, visual, intelectual, física ou múltipla), chegando a abranger desde o ensino infantil até o ensino superior.

Na educação inclusiva, são criadas condições que considerem e respeitem o ritmo de aprendizado de todos os estudantes. Neste post, trazemos algumas maneiras simples e práticas para que professores e gestores consigam incluir a educação inclusiva nas escolas. Continue e confira nossas sugestões!

1. Criar ambientes inclusivos

Adequar as instalações da escola e rever com o professor a dinâmica das aulas são etapas cruciais para criar ambientes realmente inclusivos. Em relação às instalações, se o estudante não sente autonomia para circular na escola, ele pode ter dificuldades para participar das atividades propostas pela escola.

Para evitar situações dessa natureza, uma escola inclusiva conta com instalações acessíveis para todos. Algumas adaptações já estão previstas em lei, como o acesso a elevadores, as rampas ao lado de escadarias e os banheiros adaptados para evitar acidentes. No entanto, é importante reavaliar detalhes da infraestrutura para garantir que todos consigam circular pelo ambiente escolar.

Em relação às salas de aula, o acompanhamento do trabalho do educador é fundamental para oferecer o suporte necessário. Por exemplo, um segundo professor em sala com formação específica pode dar apoio à equipe pedagógica e garantir que os diferentes ritmos de aprendizado sejam respeitados.

2. Capacitar professores e a equipe da escola

Professores, gestores, equipe administrativa e demais colaboradores da escola devem estar preparados para lidar com crianças portadores de alguma deficiência. É importante que essa interação entre, inclusive, para a avaliação de desempenho dos profissionais. Dessa forma, a escola reafirma a necessidade de colocar em prática a educação inclusiva.

O maior desafio da inclusão desse modelo de ensino nas escolas é justamente a falta de preparo e capacitação dos professores. O número de educadores que ensinam em libras no Brasil, por exemplo, ainda é muito aquém do necessário.

Além disso, os cursos de graduação de licenciatura preparam muito pouco os professores a lidarem com alunos com deficiência. Por isso, é importante que a gestão da escola incentive a formação continuada da equipe pedagógica, por meio de cursos e Workshops que ofereçam capacitação visando a educação inclusive.

Também é importante marcar reuniões com os demais colaboradores da escola para que todos consigam adaptar suas funções para lidar com as crianças com deficiência da melhor forma.

3. Investir em um projeto político pedagógico inclusivo

O projeto político pedagógico (PPP) é o documento que traça todas as propostas da instituição para as etapas da educação escolar, desde a proposta curricular e as diretrizes para professores até as diretrizes para a gestão administrativa. É nesse documento que devem estar contidas as intenções e propostas de gestores e educadores para a educação inclusiva.

Por exemplo, é no PPP que a escola deve apresentar as maneiras pelas quais as redes de apoio vão atuar para criar as melhores condições de aprendizagem na escola. Redes de apoio se referem a grupos além da escola que influenciam no processo de ensino e aprendizagem, como a família e os profissionais da área de saúde.

Os familiares são os principais responsáveis pela educação das crianças, por isso é fundamental que a escola crie uma rede de cooperação para a educação dos alunos. Além disso, médicos, fisioterapeutas, fonoaudiólogos entre outros profissionais da área de saúde podem ser consultados em relação às necessidades dos alunos.

É importante que o projeto político pedagógico seja acessível e disponibilizado para os familiares dos estudantes. Dessa forma, ficará claro para todos as reais intenções e propostas da escola em relação à educação inclusiva.

4. Incluir a família e toda comunidade

Uma excelente maneira de demonstrar a postura pró-inclusão é envolver a família e toda comunidade nas atividades da escola. Promover palestras e conversas com profissionais com deficiência, de fora ou de dentro da escola, para falarem a respeito de suas experiências e desafios pode ser enriquecedor e emocionante para todos da comunidade escolar.

Esse tipo de evento promover e empatia e permite que familiares tirem dúvidas e sanem curiosidades sobre o assunto, principalmente aqueles que possuem crianças com deficiência.

Quando a escola reforça sua postura pró-inclusão com os responsáveis pelos estudantes, a confiança no relacionamento fica muito mais forte. Outras ações contribuem para isso, como enviar boletins informativos sobre o desempenho dos estudantes e esclarecer dúvidas sobre as abordagens em sala de aula.

5. Flexibilizar o currículo escolar

Flexibilizar o currículo escolar para torná-lo mais acessível a diferentes ritmos de aprendizado nem sempre é tarefa fácil, já que muitas vezes falta orçamento para investir em recursos tecnológicos e alguns professores possuem certa rigidez com as metodologias tradicionais.

Mas esse é um passo fundamental para a educação inclusiva. Simples práticas em sala de aula podem aumentar o vínculo dos estudantes com os professores. Abordar os assuntos com vídeos, músicas e conversas, por exemplo, pode ser muito útil nesse sentido.

Além disso, quando os professores usam sinais não verbais, eles ajudam os estudantes em contextos que entender apenas ouvindo pode ser difícil. Gestos, figuras, jogos dinâmicos e objetivos educacionais tornam as aulas mais acessíveis para portadores de deficiência.

A educação inclusiva é o caminho para construir uma escola que ofereça propostas que realmente atendam às especificidades de cada um. Entre os benefícios dessa modalidade de ensino, destacamos o real comprometimento da escola com os diferentes públicos, o fortalecimento de laços com a família e os currículos multidisciplinares.

Já conhece o Software GEO? Trata-se de um sistema de gestão financeira, administrativa e pedagógica completo, com planos personalizáveis para diferentes modelos de instituições de ensino, inclusive a escola. Se quiser saber mais detalhes, acesse o site do Software GEO e entre em contato conosco.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.